domingo, fevereiro 17, 2008

COLÉGIO MILITAR

Fundado em 1803, o Colégio Militar é uma das mais prestigiadas instituições de ensino de Lisboa, cujas instalações e infra-estruturas o colocam entre os melhores colégios do mundo.

Prestes a comemorar 205 anos de existência. Mais uma vez, vai decorrer o tradicional desfile da Avª da Liberdade, onde os "ratas", os alunos do 1º ano, abrem orgulhosos o desfile, os botões dourados reluzem, as botas negras reflectem o empenho da graxa da noite anterior, a espingarda pesa e a barretina teima em escorregar, mas seguem orgulhosos e esquecem o cansaço de dois meses de preparação para o aniversário; depois ano a ano seguem os outros alunos e a escolta a cavalo, ex-líbris do colégio, encerra de forma altiva o desfile que acaba com a missa na igreja de São Domingos, no Rossio. Cá fora os antigos alunos confraternizam nas tasquinhas com a tradicional ginjinha, mais um ano se passou.

Actualmente, o Colégio Militar permite a entrada a qualquer aluno que queira ingressar, desde que obtenha aprovação em todas as provas de acesso, que são bastante rigorosas.

Para quem gosta de lá estar, é uma excelente opção de ensino, o rigor e a disciplina incutidos resultam, ao fim de oito anos, em excelentes resultados. Não é por acaso que o Colégio Militar tem uma taxa de, praticamente, 100% de sucesso no acesso à faculdade, muitos deles em cursos de medicina. Também não é certamente por acaso que cinco ex-presidentes da República foram alunos do Colégio.

Pessoalmente, como pai de duas crianças ainda pequenas, tenho dificuldade em entender o que leva os pais e avós dessas crianças a "roubar" a infância de quem deveria estar a brincar com os amigos e com os pais em vez de estaremk num quartel a aprenderem a ser "homens".

Não podia deixar de falar sobre este assunto, depois de ver a grande reportagem da sic "Um nó na alma" desta noite.
Confesso que fiquei indignado com várias situações, e fosse eu criança e meus pais me colocassem nessa instituição, acho que jamais seria capaz de os amar.

Pergunta para todos os pais e avós que colocam os filhos no colégio militar:

Amam os vossos filhos?
Conhecem os direitos da criança?

16 comentários:

Liliana disse...

Acabei de postar sobre o mesmo. Preocupamo-nos com o que se passa no ensino "comum" e depois confrontam-nos com o que se passa entre aquelas paredes. Fiquei indignada com muitos aspectos mostrados. Hierarquizar crianças tendo como referência a altura? Isto é descriminação pura e dura
! Foi só um dos exemplos. Não pode passar impune. E que pais são estes?!

Anónimo disse...

Também eu "Sou alguém que gostaria de melhorar o mundo,que tenta ser justo,que procura soluções e que tenta espalhar boa disposição." Contudo, eu já sou pai a triplicar e avô a duplicar.
E também eu fiquei revoltado com o que vi, mas por razões bem diversas. Aliás, quando percebi quem era o reporter, temi logo o que se seguiu...
Sou ex aluno do Colégio, amei e respeitei os meus pais, como eles me amaram e respeitaram, sobretudo a minha mãe, que vivia para os filhos. E se algo hoje lhes agradeço, mais que tudo, foi o terem-me posto no Colégio.
Não se deixe enganar pelo que lhe quiseram mostrar - é verdade que, como qualquer criança de 9 anos, muitas vezes chorei nas noites de domingo, quando os meus pais lá me deixavam, mas passado pouco tempo já era eu que lhes pedia de vez em quando para não me virem buscar ao Sábado. E isso nunca significou menor ligação à familia, valor que sempre prezei e muito prezo... e olhe que eu tive, e tenho, uma boa e unida familia.
Se o Colégio fosse como o "pintaram", não deixaria saudades! Como se explicaria então a ligação impar que todos os ex alunos mantêm ao longo da vida entre si e com aquela casa?
Todos, sem excepção, continuam a usar orgulhosamente a barretina na lapela, simbolo de quem por lá passou, e continuam a comparecer, estejam onde estiverem em jantares mensais de curso e sobretudo no dia do Colégio, o 3 de Março, como aliás referiu! Cá, como nos Açores, em Angola, em Timor, em Bruxelas, em Macau, ou onde quer que haja dois ex alunos!
O Colégio Militar forma Homens. E forma-os bem, dá-lhes boas ferramentas para a vida. Que isso se faz com regras e disciplina? Sem duvida, e ainda bem, são marcas (positivas) que ficam.
Não foram só os 5 ex presidentes da republica que por lá passaram, nem foram só futuros militares. Cientistas, exploradores, escritores, musicos, cantores, compositores, engenheiros, médicos, arquitectos, politicos, enfim, se soubesse um décimo dos nomes de portugueses ilustres que se formaram no Colégio Militar, talvez se interrogasse sobre o que é que aquela casa tem de especial!
Não é por acaso que os colégios internos ingleses recebem crianças de todo o mundo. E a diferença não será muita... talvez a farda, que lá é civil... mas os valores, as regras, as condições de ensino, não diferem lá muito.
Quanto a ontem, apesar de facciosa, truncada na visão e "polarizada nos fins", a reportagem mostrou crianças e adolescentes cuja conversa, autentica, por vezes profunda e muito rara naquelas idades, mostrou o que já valem como seres humanos, o que a mim me encheu de orgulho e até comoveu. Como me comoveu o miudo que chorava enquanto tocava o hino nacional...

Já agora, um pequeno reparo ao post anterior - só lá há uma hierarquia com referencia na altura - o mais pequenino de todos é tratado carinhosamente por "o batalhãozinho" e essa é uma discriminação positiva e que o evidencia e honra, inclusive em cerimónias oficiais. "Que pais são estes?" Em minha opinião são dos melhores, os que tudo investem no futuro dos filhos. A minha opinião vale tanto quanto a sua... mas, e não se engane, não vale menos!

Ex-Aluno nº 119 de 1956

lumadian disse...

Respeito a sua opinião, como a de todos (mesmo sendo anónimo...), quanto à ligação que os ex-alunos tem com a instituição, parece-me muito normal, afinal de contas, ali foi afinal a casa deles e a sua verdadeira familia.
Bem sei que os pais investem bastante para que os filhos possam ir para lá para serem alguém. Mas há coisas para mim que não tem preço.
Acordar com os meus filhos aos pulos na minha cama; passear com os eles; brincar com eles; ensinar-lhes os valores que me foram ensinados a mim; explicar-lhes o que é bom e o que é mau; poder vê-los todos os dias...
Eu infelizmente só vejo o meu mais velho de 15 em 15 dias e ninguém sabe o que isso me fere por dentro, ainda mais sabendo que era comigo que ele queria estar.
Cada um tem a sua opinião, a minha ideia quando quis ser pai, foi não os dar a ninguém para os educar, mas sim eu ser o pai que se calhar nunca tive.

Anónimo disse...

Pelo conhecimento que tenho de instituições escolares em Portugal e no Mundo, não tenho dúvidas nem sequer falsas modéstias em afirmar que o Colégio MIlitar é uma instituição de topo em todo o Mundo, e da qual o país muito se deveria orgulhar.

5 Antigos Presidentes da República, ilustríssimos médicos, juristas, militares, arquitectos, engenheiros, professores, músicos, poetas, políticos, pilotos, centenas de ruas e avenidas com nomes de antigos alunos por todo o Mundo.

É uma instuição com 205 anos de idade mas em constante actualização e pioneira no país, tendo sido a primeira a aplicar o moderno sistema de ensino, servindo de exemplo para todas as suas seguidoras há 2 séculos atrás.

Os seus antigos alunos nutrem pela Casa que os acolheu uma estima e um reconhecimento notáveis, criando entre si laços inabaláveis que perduram por toda uma vida.

E não se pense que o Colégio Militar é só rigidez, exigência, militarismo. A essência do Colégio vai muito para além disso. No Colégio, as crianças são consideradas como tal, pessoas imaturas e em crescimento, a quem é dado espaço para todas as traquinices e aventuras próprias da idade. O Colégio não priva os seus alunos de qualquer experiência própria dos jovens da sua idade. A diferença reside no facto de, desde logo, serem incutidos nos alunos valores e limites que pautarão as suas condutas ao longo das suas vidas.

Mais, o Colégio não substitui, nem nunca o pretendeu,o papel dos pais na educação dos filhos. Um aluno do Colégio vem de casa na 2.ª feira, dorme a 2.ª e a 3.ª no Colégio, na 4.ª vai dormir a casa, dorme no Colégio na 5.ª e na 6ª está novamente em Casa. Isto é um modelo de internato rigoroso em que os pais não têm contacto com os filhos? Quanto tempo por dia passa um pai trabalhador com um filho? Acredito piamente que os pais de um aluno do Colégio Militar, por não estarem com os filhos durante 3 noites de uma semana, aproveitem bem melhor o tempo que com eles passam.

Sou antigo aluno do Colégio e disso estou orgulhoso e eternamente agradecido aos meus pais. Foi uma boa prova de amor.

Mais, apesar de o Colégio ser tradicionalmente a Casa de muitos dos filhos das mais antigas famílias portuguesas, acolhe também filhos de classes médias e médias-baixas, variando o valor da mensalidade em função dos rendimentos dos pais, e existindo um sistema de bolsas que incentivam a frequência daqueles que efectivamente o merecem, não excluíndo alunos por insuficiências económicas. O Colégio orgulha-se de ser elitista à saída, mas não elistista na entrada. É também notório e por demais conhecido que dentro do Colégio não se reflectem as diferenças de origem social ou de raças entre os seus alunos, sendo feita Justiça ao seu lema " UM POR TODOS, TODOS POR UM".

Obrigado, Colégio Militar, por tudo aquilo que és.

Anónimo disse...

Ainda bem que respeita a minha opinião, como eu respeitei a sua, senão não tinha aqui "postado". Só não percebi o "mesmo sendo anónimo...", até porque me identifiquei (ou precisa do meu nome, e para quê?) e não tinha que o fazer, porque o SEU blog aceita anónimos (espero que não seja para depois os criticar por isso).
Quanto ao - "Acordar com os meus filhos aos pulos na minha cama; passear com os eles; brincar com eles; ensinar-lhes os valores que me foram ensinados a mim; explicar-lhes o que é bom e o que é mau; poder vê-los todos os dias...
Eu infelizmente só vejo o meu mais velho de 15 em 15 dias" - tudo isso eu e os meus pais fizemos muitas vezes, pode crer, e raramente até estive 15 dias sem os ver...
Finalmente, desculpe, mas não entendeu o meu "os que tudo investem", pois eu referia-me a muito mais que dinheiro. Aliás, há muitos Colégios neste País bem mais caros do que o CM... e, como outro ex-aluno aqui referiu, o Colégio até nesse aspecto dá cartas, os pais pagam consoante as suas posses e há até alguns que nada pagam, se os pais tiverem morrido ao serviço da Pátria. Só o facto de andarmos fardados (ou uniformizados, a palavra não é casuistica), logo rompe com desigualdades sociais "exteriores", hoje infelizmente tão importantes na maioria das crianças portuguesas que só vestem roupas de marca! Todos, de qualquer origem, cor, ou credo, ali são tratados de igual forma, é apenas pelo seu valor intrinseco como pessoas e como estudantes que vão sendo distinguidos.
A minha idade e experiencia já me permitem um conselho sem temer ser "paternalista" ou "dar-me ares" - para criticar, como para amar, é preciso conhecer. E a esmagadora maioria que conhece realmente o Colégio Militar considera-o uma Instituição impar para o ensino e formação dos nossos jovens.
E só para lá vai quem quer...
Ex-aluno 119 de 1956

MIMO-TE disse...

Olá,

Obg pela visita e comentário simpático que deixas-te no meu blog. Principalmente porque abriste-me caminho para o teu! :)
Parei por aqui, também vi a reportagem, também tenho filhos e nunca os colocaria nun colégio como este. Aliás, fica perto do colégio onde anda o meu filho mais novo e sabes? Basta olhar, e escutar. A diferênça é notoria, crianças sem alegria, obrigadas a reprimir a sua individualidade. Olho para um lado e vejo crianças a correr e a brincar num recreio onde se pode cantar, jogar,olho para o outro e vejo marcha, roupas cinzentas e desactualizadas, enfim!
Quem é que ainda acredita que isto é saudavel para um menino como aquele que vimos a chorar na TV?

Bjo
Volto certamente,
Mimo-te

Anónimo disse...

Não por serem opiniões diferentes da minha, mas por partirem de pessoas que opinam publicamente sobre uma realidade que não conhecem, não posso deixar de as considerar pouco relevantes.

As individualidades no Colégio não se reprimem, estimulam-se, cara co-comentadora, aconselho-a vivamente a pesquisar dez minutos na internet sobre o Colégio e a conhecer alguns dos seus antigos alunos.

Daqui a vinte anos, provavelmente o seu filho terá vagas recordações da sua escola, não nutrindo por ela qualquer sentimento em especial, e talvez tenha mantido o contacto com um colega daquele tempo.

Os ex-alunos do Colégio Militar orgulham-se daquela que é a Sua Segunda Casa, e ao fim de toda uma vida ainda mantêm entre si laços inbaláveis de solidariedade e amizade profunda.

Será assim tão mau o Colégio? Não percebo então a postura de quem o viveu e o conhece melhor, os seus antigos alunos.

lumadian disse...

Ok. A única coisa que eu posso desejar, é que aquelas crianças, um dia quando forem pais, disfrutem mais dos filhos do que os pais deles.

Anónimo disse...

O meu nome é Frederico, orgulhosamente ex-aluno do melhor Colégio deste país (o Colégio Militar) e do único capaz de formar "gente" educada e capaz de viver em sociedade em massa (na verdadeira acepção da palavra). Dizer q não há alegria nas crianças do Colégio Militar é uma barbaridade mas mais do que isso uma prova de ignorância por si só...mas isso é o normal na nossa pequena e medíocre sociedade. Tente aprender um bocadinho mais e então depois fale de algo que realmente saiba e não do que pensa que sabe. Talvez se tivesse lá andado de certeza que, entre muitas outras coisas, isso teria aprendido.

lumadian disse...

palavras como: "orgulhosamente" ou frases como "único capaz de formar gente educada"? Meu amigo, a única coisa que posso dizer é que tenho pena da sua infância, graças a Deus eu soube o que era ser criança.
Quanto a educação, tenho-a para quem a merece, já para certas pessoas, nem por isso. Talvez tenha muito mais educação que a maioria dos alunos dessa instituição, que tal como eu pude presenciar neste domingo em pleno rossio, dois dos seus ex-colegas, atravessando a rua, perdidos de bêbados e metendo-se com as pessoas que passavam. Isto para não chegar mais longe... porque temos casos em outras instituições da nossa terrinha e se fôssemos mexer nesta...não sei não!

Anónimo disse...

Não tenha pena da minha infância porque eu também não, caso contrário não seria o que sou hoje. Não sei onde quer chegar com o "chegar mais longe", quer dizer..sei, mas mais uma vez lhe digo não sabe do que fala ou o que porventura insinua...mais uma prova de ignorância (já são duas). Imagino que também nunca tenha bebido alcool e não tenha tido atitudes mais exageradas. Já agora, o Colégio, como tudo na vida, não é um mundo perfeito (mas anda lá perto) e não corrige todos (a maior parte corrige) os erros de educação que alguns jovens "papás" cometem...e como tal também de lá saem pessoas com menos carácter (se reparar bem eu escrevi formar gente educada EM MASSA e não apenas e só gente educada, porque também as há nas outras instituições), ainda que uma percentagem muito diminuta. Só mais uma coisa, se calhar devia agradecer a alguns ex-alunos "dessa" instituição poder escrever aqui o que "escreve"...

lumadian disse...

Para concluir...porque a minha opinião já está na postagem que coloquei, apenas vou voltar a dizer:
Tenho pena das crianças que são obrigadas a passar uma infância como se estivessem num quartel.
É impossível colocar um filho neste tipo de instituições e poder dizer que ama o filho.
É a minha opinião como pai!

lumadian disse...

Graças a Deus, somos um país livre, onde cada um pode dizer o que sente e não o devo a nenhum ex-aluno do colégio militar.
Aqui neste blogue, escrevo o que quero, o que sinto e o que me passar pela cabeça!

HA disse...

Não o deve, tem a certeza?

Com uma afirmação dessas nada conhece da história do país nem da história do Colégio Militar.

Anónimo disse...

Olá, eus ou aluno actual do colegio referido e tenho de dizer que você esta completamente enganado em relaçao ao meu colegio.
Eu entrei por vontade propria nele e tinha medo de entrar.Eu ja chorei enquanto estava aqui.Nao foi por saudades mas sim porque os meus familiares ja nao tinham dinheiro para eu estar neste colegio.

E fique a saber que depois de 6 anos neste colegio, continuo cá e considero o melhor dia da minha VIDA, o meu primeiro 3 de março.Espero que perceba que voce esta completamente enganado em relaçao a este colegio.Eu proprio sou amigo daquele miudo da reportagem "um nó na alma" e ele disse na minha cara que ia receber 2 medalhas no ano a seguir.E este ano ele usa duas medalhas na sua farda cor de pinhão.

Fernanda Cristina disse...

meu nome é Fernanda tenho um filho de 8 anos ele estuda em escola publica,um ótimo aluno porem ele anda mentindo e atrapalhando-o estudo,meu sonho era estudar em colégio militar mais não pude então gostaria que meu filho estudasse.Gostaria de saber se ele já pode?e onde devo ir para matricular ele?obrigado
fernandajawaf@gmail.com