segunda-feira, Março 24, 2008

HISTÓRIA MACABRA


Uma mulher de 43 anos, já com filhos, conseguiu esconder da família nova gravidez. Na terça-feira de manhã, escolheu um local isolado, perto da sua residência, na Jardia, freguesia do Alto do Estanqueiro, Montijo. Forçou o parto, e mal conseguiu ver a cabeça do bebé, pegou num cordel e sufocou o próprio filho. Apertou tanto, que acabou por decapitar o bebé, empurrando o resto do corpo para o interior do útero. Poderá agora vir a ser constituída pelo crime de infanticídio.

Familiares depararam-se com a mulher prostrada no quintal de casa, perto de um lagar de vinho.
A gravidade do estado de saúde da mulher obrigou a que fosse, de imediato, transportada para o Hospital do Montijo, e posteriormente transferida para o estabelecimento hospitalar do Barreiro.
Depois de ter sido confirmada a gravidez, a mulher foi atendida por uma equipa de médicos e enfermeiros obstetras. A gravidade da situação desenhou-se em poucos minutos, já que dentro do útero da parturiente foi encontrado um feto sem cabeça.
O Ministério Público do Barreiro foi, como é de lei, informado da macabra situação. Assim que se encontrou em condições de falar, a mulher informou ter deixado a cabeça do filho numa residência em Sarilhos Grandes.
O procurador da Comarca do Barreiro de serviço ordenou a uma equipa de militares do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR do Montijo que se deslocasse ao local indicado pela mulher.
No entanto, a informação avançada acabou por não se confirmar. Por indicação de moradores na zona, a equipa do NIC do Montijo foi redireccionada para a nova residência da mulher, na Jardia.
A macabra descoberta foi confirmada neste local. A cabeça do bebé foi encontrada perto do local do parto, guardada num saco de plástico. A Polícia Judiciária de Setúbal foi chamada pela GNR que, a partir daí, só preservou a prova.
A mulher mantém-se internada, sem correr risco de vida. Assim que tiver alta, pode ser presente a um juiz e ser constituída arguída e acusada do crime de infanticídio.

PORMENORES
CORDEL
A arma do crime foi encontrada pela GNR perto do saco onde estava guardada a cabeça. Trata-se de um cordel grosso, usado pela mulher para dar várias voltas à cabeça do filho. A força aplicada foi tanta, que a cabeça do feto foi cortada.
INFANTICÍDIO
Fonte judicial disse ao CM que a mãe do bebé morto poderá, caso o Ministério Público do Barreiro entenda haver prova, ser indiciada de infanticídio. O crime está previsto no artigo 136 do Código Penal, e tem uma moldura penal até cinco anos de cadeia.
GRAVIDEZ
Mãe de vários filhos, a mulher conseguiu, durante nove meses, esconder da família uma gravidez que claramente não desejava. Ao que o CM apurou, ninguém sequer suspeitou do crescimento do feto. No fim do período de gestação, e já acometida por dores de parto, a mulher terá escolhido um local pouco frequentado e afastado dos olhares alheios para se livrar do filho indesejado.

Miguel Curado - correio da manhã

1 comentário:

aorta disse...

Repugnante.