segunda-feira, março 30, 2009

1ª CAPA DA PLAYBOY PORTUGUESA



Portugal continua a ser um país pudico. E é por isso que a falta de ousadia na capa do primeiro número da Playboy portuguesa não me surpreende: optaram sensatamente por uma imagem mais suave que não ofende o nosso apurado sentido do pudor - o tipo de capa que o português típico não precisa de ver às escondidas nem os quiosques ou papelarias desejarão tapar, para não ofender as leitoras da Maria e as devotas do Tony Carreira.

Não percebo é a intenção de transformar uma mulher tropical como Mónica Sofia numa espécie de dama de film noir americano, dando-lhe um toque de glamour a preto e branco. Não resultou nada bem, porque lembra mais uma daquelas saltadoras de trampolim dos jogos olímpicos do que uma personagem de um filme ou a personificação de uma época. E depois colocaram a rapariga numa postura tão desfavorável que parece que lhe vai sair um alien da barriga.

É uma capa fria e árida, e a encenação da fotografia é muito pobre. Um fotógrafo que me corrija, mas este é o tipo de imagem ‘editorial’ que deve estar ‘feita’ na cabeça do fotógrafo (e do editor) antes mesmo de pegar na máquina. Talvez a modelo seja fraca ou não tenha sido bem dirigida, mas aquele sorriso baço e as mãos nas ancas transformam a ‘inesquecível primeira’ numa mulher sem significado; sem significado porque não transmite nada; não transmite nada porque não mostra personalidade; como não mostra personalidade, não é sexy - é apenas uma tipa com boas mamas. Eu cá não me queixo das mamas da Mónica Sofia, mas para uma primeira capa de uma revista com a força editorial da Playboy não tem absolutamente nada que se destaque, é como se os elementos se anulassem uns aos outros.

E o problema é também o cenário escolhido. Alguém que me explique? Eu não alcanço a ideia. A impressão visual que me fica desta capa é a de um corpo dissolvido no cenário - como se o foco da fotografia fosse tudo menos a mulher. Eu se fosse uma criola tão bonita como ela não perdoava esta ofensa… Os belíssimos cabelos negros da modelo ficam mais bem destacados, é verdade, mas por causa da falta de profundidade da foto e da pose pouco imaginativa, uma pessoa fica com a ideia de que a cara foi colada entre os cabelos com Photoshop. E que raio é aquilo atrás da rapariga? Pedregulhos? Rochas? Uma paisagem do planeta Vénus? Uma cratera lunar? O cérebro dos editores?

Fonte: Publicado por Marco Santos em "Bitaites.org"

Parece promissor o lançamento nacional da Playboy, revista masculina líder de mercado mundial. Mónica Sofia faz capa; Rute Penedo é a playmate; Pedro Paixão e Nuno Markl escrevem.

"Queremos assumir definitivamente o relacionamento com a mulher, abrir novos horizontes e seguir sempre o bom estilo da vida". É desta forma que a administração da Frestacom-Lisbon Media Publishing, empresa de consultoria responsável pelo lançamento da Playboy em Portugal, define a filosofia da revista. O público-alvo deverá decalcar-se da sua congénere brasileira: 84% de homens; 16% de mulheres.

Rute Penedo, a 1ª Playmate

O primeiro número, terá uma tiragem de 100 mil exemplares, devendo baixar para 80 mil nos meses seguintes. A modelo Mónica Sofia, casada com o também modelo Rubim, foi a celebridade escolhida para o número inaugural, não se confirmando assim os rumores que recaiam sobre a actriz Sandra Cóias ou a apresentadora de televisão Liliana Campos. "Apesar de se despir integralmente, a nudez da Mónica Sofia é protegida por um estilo de produção elegante", esclarece Cátia Cruz, do departamento de comunicação da Playboy. "Aquilo que publicamos não é pornografia, é erotismo - e de qualidade". A modelo terá recebido 30 mil euros de cachê para fazer capa.

Com um preço de venda ao público de 3,95 euros, a revista terá quatro eixos: Capa, Grande Entrevista (o futebolista Costinha é o primeiro), Playmate (espaço para uma desconhecida; Rute Penedo foi a escolhida para o poster desdobrável) e Vinte Questões (o rapper Pacman).

A equipa de produção editorial da Playboy portuguesa é constituída por 23 elementos. O humorista Nuno Markl, o escritor Pedro Paixão e o ilustrador Nuno Saraiva são colaboradores permanentes.

clique nas imagens para aumentar

6 comentários:

vita disse...

algumas das fotos estão espectaculares , agora só um comentário aparte será que o marido tb concorda e acha artístico , o coitado tb deve ser um cornudo de certeza ; tst tst

lumadian disse...

Se calhar os 30 mil €uros faziam falta...

disse...

Vemos assim que Portugal é mesmo preconceituoso...olha já a Vita a rotular a pobre da miuda de qualquer coisa mais,,,
Foi apenas uma sessão fotografica para uma revista erótica.

Ângela Jorge disse...

Erotismo não é pornografia!!!!
Parabéns à nossa Portuguesa!!!!

Anónimo disse...

Coitada, sujeitou-se a tão pouco. Mas tbem com umas fotos dessas, não era para menos.Espeva fotos bastante sedutoras.
Muito fraquinha.......

Leandro R disse...

Só comentários fracos.
A Playboy nacional surpreendeu pela positiva!
As produções fotográficas estão excelentes! Grandes fotógrafos, mulheres reais, beleza real portuguesa!
Excelente!
Vale a FHM e Maxmen juntas e mais...